Medicina Tradicional Chinesa

Acupuntura
Leia mais -->

Dúvidas sobre a Acupuntura
Leia mais -->

Eletroacupuntura
Leia mais -->

Auriculoacupuntura ou Acupuntura Auricular
Leia mais -->

Cone Chinês
Leia mais -->

Moxabustão
Leia mais -->

Hai Hua (ou Acupuntura sem agulhas)
Leia mais -->

Sangria
Leia mais -->

Ventosaterapia
Leia mais -->

Fitoterapia
Leia mais -->

Dúvidas sobre a Acupuntura

1. Qual é a explicação da ciência ocidental atual sobre a acupuntura?



A acupuntura foi levada ao ocidente a partir da segunda metade do século passado (XX) e, graças aos avanços da neurociência e das pesquisas científicas sobre o sistema nervoso e de como as funções nervosas controlam o organismo foi possível a comprovação científica almejada, afastando as muitas das dúvidas sobre essa terapia.

Hoje, confirma-se em trabalhos científicos publicados em revistas especializadas em ciências, que a inserção das agulhas em determinados pontos dos meridianos se dá sobre terminações nervosas, que levam as informações para o córtex cerebral e atua sobre os sistemas nervoso, imunológico e endócrino.

A acupuntura provoca a liberação no sistema nervoso central, de neurotransmissores e outras substâncias responsáveis pelas respostas da promoção de analgesia, restauração de funções orgânicas, melhora do fluxo sanguíneo, estimulação da função imunológica, efeitos antiinflamatórios, antidepressivos, entre tantos.

2. Quanto à sua legalidade e eficiência, como a medicina brasileira encara a acupuntura?

A acupuntura foi introduzida em nosso país há cerca de 40 anos.

Em 1988, por meio da Resolução nº 5/88, da Comissão Interministerial de Planejamento e Coordenação (Ciplan), teve suas normas fixadas para atendimento nos serviços públicos de saúde.

A acupuntura foi reconhecida em 1995 pelo Conselho Federal de Medicina e, em 1998, passou a ser uma especialidade médica aceita pela Associação Médica Brasileira.

Em 1999, o Ministério da Saúde inseriu na tabela Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA/SUS) do Sistema Único de Saúde a consulta médica em acupuntura, o que permitiu acompanhar a evolução das consultas por região e em todo o País.

Dados recentes desse sistema demonstram um crescimento de consultas médicas em acupuntura em todas as regiões. De acordo com os dados do SIA/SUS, verifica-se que a acupuntura está presente em 19 estados, distribuída em 107 municípios, sendo 17 capitais. A maioria no sudeste brasileiro.

Em 2006, o ministério da Saúde aprovou a PORTARIA Nº 971, referente à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no SUS - Sistema Único de Saúde, na qual está inserida a prática da acupuntura.

Segundo a lei, a acupuntura representa a melhoria dos serviços e prioridade da Saúde, por tornar disponíveis opções preventivas e terapêuticas aos usuários dos SUS e reitera que esta norma de âmbito nacional deve ser seguida por todas as Secretarias de Estado e Municípios do país.

Atualmente, a acupuntura consta do currículo de graduação de muitas faculdades de Medicina e a especialização é oferecida em cursos de pós-graduação. O título de especialista é concedido pela AMB – Associação Médica Brasileira, mediante aprovação em exames coordenados pelo Colégio Médico de Acupuntura.

Até 2006, cerca de 2,4 mil médicos conquistaram esse título no país e outros 5 mil estão em processo de qualificação.

3. Quem pode ser acupunturista em nosso país?

Vários conselhos de profissões da saúde regulamentadas reconhecem a acupuntura como especialidade em nosso país e os cursos de formação estão disponíveis em diversas unidades federadas, o que significa que a acupuntura não é uma exclusividade médica.

De acordo com o Sintosp - Sindicato de Acupuntura e Terapias Orientais de São Paulo estão aptos para exercer a atividade no Brasil, os médicos com título de especialista (concedido pelo Colégio Médico de Acupuntura), os enfermeiros, os fisioterapeutas, os psicólogos, os biomédicos, os farmacêuticos e os bacharéis em Educação Física, com título de especialização adquiridos nos conselhos federais; ainda, técnicos formados em cursos reconhecidos pelo Ministério da Educação (MEC) ou secretarias de Estado da Educação; profissionais de nível superior formados em cursos livres; especialistas com título fornecido pelo Conbrac - Conselho Brasileiro de Acupuntura, e profissionais estrangeiros, com diploma e grade curricular compatível com a brasileira.

4. A Acupuntura é um tratamento seguro?

Sim, desde que feita por um profissional realmente capacitado. O resultado terapêutico depende muito de um diagnóstico minucioso e exato; em especial, pela precisão da localização dos pontos, da pulsologia.

Atualmente, devido às imposições da ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, o procedimento terapêutico deve ser realizado com agulhas descartáveis. Dependendo do caso, também podem ser utilizadas as técnicas de eletro acupuntura, o laser, o moxabustão, a ventosaterapia, sementes e magnetos.

5. Dói fazer acupuntura?

O profissional acupunturista deve provocar o que os chineses chamam de Te Qi: ao fazer a inserção das agulhas, causa uma sensação muito rápida de peso, às vezes, de choque elétrico, ou formigamento, mas não é dor.

6. Quando se faz acupuntura pode ocorrer sangramento?

Sim, às vezes podem ocorrer pequenos sangramentos, que devem ser estancados por uma simples compressão e, raramente incidem pequenos hematomas.

7. Quanto tempo demora uma sessão de acupuntura?

A primeira sessão de Acupuntura demora quase duas horas, devido à necessidade de o terapeuta estabelecer uma boa anamnese. No momento de fazer a aplicação das agulhas, o paciente permanece confortavelmente deitado em lugar tranqüilo, em sala individual, com temperatura de mais ou menos 25oc (Não pode sentir frio durante a sessão), por aproximadamente 30 minutos. As sessões posteriores são de aproximadamente uma hora.

8. Qual a freqüência ideal para um tratamento de acupuntura?

Recomenda-se, de início, uma sessão por semana, totalizando doze sessões, que são ideais para restabelecer o equilíbrio de doenças recentes. A prevenção deverá ser feita a cada quinze dias.

Para casos agudos ou doenças crônicas avalia-se separadamente.
R. Bento de Andrade, 103 - Jd. Paulista
São Paulo - SP | CEP: 04503-010
Tel: +55 (11) 2507- 9021 / 2507- 9024

R. Clodomiro Amazonas, 1422, cj 107 - Vila Nova Conceição
São Paulo - SP | CEP: 04537-002
Tel: +55 (11) 2503- 0662
E-mail: contato@phisiotrainer.com.br